goteira

January 20, 2017 § Leave a comment

200w

a minha casa é de vento

no sopro dos teus telhados

em alicerces de carne

 

e agora tenho-me suspensa dos teus pássaros líquidos

que ordenham sombras pelas cornijas

 

assim a porta suada na minha mão

janelas soltas no peito da passarada

e o batente um grão pelas empenas

 

assim comecei pelo telhado

assim deito-me nua na construção

assim do chão a minha boca sob a goteira

assim minha fome entornada de penas

assim aves sobre os ossos da terra

 

todos os dias penso que descem a pique

todos os dias me semeio de erva

todos os dias planam a sementeira

todos os dias uma gota para a minha sede

um jorro de leite e uma lua exangue

uma noite de espasmo e um espectro de ave

um telhado de medo e um dique de sangue

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading goteira at Lector.

meta

%d bloggers like this: