mastigação do amor

December 22, 2017 § 1 Comment

todos os dias passo pelo coração chiclete

está esmagado nas traseiras do meu apartamento

se espreitar da janela do meu quarto não o vejo
mas se fechar bem os olhos sei-o de cor
como a memória

na luz, passo apressada por ele como as horas
mas não o calco, sob pena de magoá-lo, obrigá-lo a morrer
mais longe do que a morte e os ponteiros
o meu amor apegado ao granito do amor cada fez mais fino e rápido

passam os gatos ao redor da forma e do meu pensamento
e as pombas contornam distraidamente o coração outrora doce,
umas vezes solar e colante, outras vezes entre estalidos
como o amor dentro dos olhos quando dá um passo e recua
ou se despede

outras vezes é simplesmente molhado e profundo,
mergulha até dentro da pedra e evapora-se
desaparecendo do lado de lá da rua do esquecimento

outras vezes é apenas desistente sob o luar,
geralmente quando anoitece
e as luzes da rua desligam-se com as pessoas
e os prédios enfurecem-se mais altos e incompreensíveis

houve um dia em que os gatos pararam para cheirar o coração
e as pombas para bicarem-no e desfazerem-no

o amor estava bem agarrado e não conseguiram

nesse dia doeu-me muito e não soube bem porquê
se por ciúme se por medo
se por desconfiar da aderência súbita do amor

sempre tive ciúme do instinto e pavor da fome,
desconfiança destas severas configurações,
como os gatos temem as chicletes e as patas ancoradas
e as pombas os bicos atados à teimosia da matéria

ainda assim
julgo certos desses dias favoráveis
enquanto indago o tempo e o abstrato,
o coração límpido e desconhecido,
o granito estendido como um leito desatado e vertiginoso

desconheço a flexibilidade,
a sofreguidão da língua, a violência da fé

está visto,
colo-me à ideia e passo demasiado tempo a mastigar,
a rodear irremediáveis formas

demasiado tempo à procura de granito onde me deitar

sempre que anoitece, demoro a encontrar a consistência

arrumo os ponteiros dentro dos gatos que dormem sobre os pneus, e
entrego às pombas o esquecimento da insónia do amor,
com elas despreocupadas com estas minhas fúteis elasticidades

e enquanto esgravatam frenéticas os ninhos nos beirais
rodo lentamente o corpo e as penas para não me doer,
e desenho corações pelo meio do medo e mio

o granito lá fora escuta-me e geme também,
escala a perna da cama com o coração negro ao peito a latejar

fico a olhá-los,
à pulsação no interior dos olhos verticais do gato

estou deitada sobre a chiclete da noite – penso,
enquanto repito baixinho de olhos fechados que acredito na forma,
que acredito no tempo

que urge acreditar na consistência negra da mastigação
até adormecer

ou até ser dia

Advertisements

Where Am I?

You are currently viewing the archives for December, 2017 at Lector.