opium

March 7, 2019 § Leave a comment

todas as flores se tornam incompreensíveis sem a tua presença

como barcos subitamente avistados repentinamente submersos

naufragam vazias no betão

quero dizer que é o amor
e que simultaneamente me angustio com a fragilidade das distâncias

e porque existem flores
tenho saudades e outras coisas indecifráveis como pedras, folhas
caules e raízes à deriva na solidão

papoilas
cujas pétalas são a tua língua que se repete
de encontro ao céu da minha boca
e a humidade uma chuva lenta num lugar de insanidade

assim tento entender a ordem do mundo
alternando a ordem das flores num campo aberto incendiado

qual é a primeira papoila? sendo tu sangue na planície inóspita?

e espero
e espero
e espero
enquanto o amor dá voltas às raízes escalando o caule da vida

depois desisto

de serem mudas as coisas dentro delas mesmas e das repostas
e os barcos terem já partido ou nunca sequer terem chegado

para que lado se move a flor na estanqueidade do sonho?
para que lado verte a seiva do nosso amor?
para que lado caminham as raízes do coração?

sendo tu primitivo caule, fonte da inaudível saudade

e tu papoila
amor à procura de terra nesta miragem de chão

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading opium at Lector.

meta

%d bloggers like this: